quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

CHAMA DE AMOR


Respiro
Ar quente e cheiroso
Inebriado,
Puro, acabado
Que pula de sua boca,
Com esse "a" , firme e prolongado
E atravessa minhas narinas
Fazendo sentir-me amado
Marina em que seu corpo-navio,
Atraca
Arremessa-me contra seus fartos seios 
No vai e vem de seu dorso,
Devaneios,
De expandidos esmero esforços
Olhares e desejos se devoram 
Agora, afaga-me
Coça o peito e deita
Eu? 
Contorno o seu sorrioso, lindo e brilhante
Sua boca molhada, 
Espumante.
Te pego na curva, de espreita,
E provo de sua seiva,
Esse córrego intermitente
Que dá força, gás e fermento
Ah! não me aguento
Venha cá, meu amor,
Venha cá!Vem!
Com amor, 
Eu te arrebento,
Devagarzinho e sóbrio
Ao som de Dijavan,
Ao relento
Lento, rápido,
lendo seu corpo,
Cada curva e partitura
Sou seu rebento
Arrebatado,
Arrebatdor
Prazer, gozo e dor
Do nome que quiser chamar
Esse encantado doce gostar
Chama?
Chama pra mim
Minha chama, 
Chama?
Me chama, 
De amor.

Por: Henrique Biscardi

Um comentário: